Atleta de 15 anos de SC emprestado ao Flamengo escapa de dormir em alojamento: 'sem passaporte', diz pai

09/02/2019 09:52:00
Pai achou melhor que jovem ficasse em hotel para facilitar a logística de regularização do documento, necessário para assinar contrato com o clube.

O catarinense Henrique Martins vivia uma semana dos sonhos. Na quinta-feira (7), chegou ao Ninho do Urubu para ser jogador do Flamengo, emprestado pelo Criciúma. Mas um detalhe fez com que o jovem de 15 anos escapasse de dormir no alojamento da base do Rubro-Negro,que pegou fogo nesta sexta (8): o atacante estava sem passaporte.

O incêndio ocorreu na madrugada desta sexta-feira e deixou 10 mortos e 3 feridos no Centro de Treinamento do Flamengo na Zona Oeste do Rio.Dois catarinenses estão entre as vítimas da tragédia.

O atleta e o pai, Renato Martins, chegaram ao Rio de Janeiro nesta semana para assinar contrato. O planejamento inicial previa que o jovem dormisse no alojamento de quinta para sexta, justamente a madrugada em que o fogo tomou conta do local.

"Ele (Henrique) se apresentou ontem (quinta) e não ficou no alojamento pela falta de passaporte. Estava faltando só isso para ele entregar toda a documentação. E como eu ia encaminhar a papelada hoje (sexta-feira) pela manhã, achei melhor levar ele para dormir no hotel comigo, por conta da logística e para ganharmos tempo. Iríamos dar entrada no passaporte e depois voltar ao Ninho do Urubu para conhecer melhor todas as instalações, assinar contrato, tirar fotos... a ficha ainda não caiu" disse o pai.

Renato ainda afirma que todos estão muito assustados com a tragédia. Dos seis jogadores mortos, Henrique conhecia dois, justamente os que eram de Santa Catarina.

"Se ele tivesse com o passaporte na mão, ele teria dormido lá. Estávamos tão contentes, uma situação legal para ele e aí vem uma tragédia dessa. Estou aliviado por um lado, afinal meu filho poderia estar ali, mas muito triste por outro. É muita dor para todos", disse o pai

Ainda de acordo com Renato, ele não chegou a conhecer o local de alojamento provisório na visita, mas que o recado era de que a mudança para o novo espaço seria em março. Agora, o filho retorna a Santa Catarina até que a situação seja definida.


Conheci mais a parte administrativa. Hoje é que iríamos conhecer tudo. Era um local provisório e eles diziam que faltava pouco para todos irem para a nova ala, o novo espaço. O Henrique está tentando entender tudo isso, tudo ainda é novidade para ele. Vamos voltar para Criciúma, esperar a poeira baixar e ver o que vai acontecer", completa o pai.

Fonte: G1 SC

Imagens


  • Autor: Foto: Renato Martins/Arquivo Pessoal